É possível estimular o cérebro humano para melhorá-lo?

É possível recarregar o cérebro humano?

A aplicação de correntes elétricas leves no cérebro pode aliviar dores, auxiliar os mecanismos de memória e melhorar a atenção – e os militares dos EUA estão muito interessados nisso.

No verão de 2010, Ryan Clark torceu o tornozelo durante uma aula de educação física. Foi doloroso, mas o grande problema foi a inconveniência da situação. Ele usou muletas por uma semana e seu tornozelo sarou. Então, seis semanas depois, a dor voltou, mas dessa vez estava muito pior. Ryan acabou em uma cadeira de rodas, incapaz de suportar a agonia que era andar naquelas condições. Remédios e reabilitação ajudaram e, cerca de seis semanas depois, ele se recuperou. Mas ele se machucou novamente, e depois se feriu mais uma vez, e a cada pequeno acidente a dor evoluía para algo terrível e insuportável. “Eram apenas machucados normais para alguém de nove anos de idade”, diz o pai de Ryan, Vince, “mas para ele eram um suplício. Além da dor, ele começou a ter tremores. Seus músculos travavam. Ele passou a ter espasmos no corpo inteiro e tudo o que ele podia fazer era se deitar no chão, enrolado como um gato”.

Ryan acabou sendo diagnosticado com síndrome complexa de dor regional, uma doença que afeta uma em um milhão de crianças da idade dele. Vince Clark, que dirige o Centro de Psicologia Clínica e Neurociência da Universidade do Novo México, em Albuquerque, mergulhou nos estudos para compreender a síndrome e encontrar formas de ajudar Ryan. Analgésicos tradicionais não traziam alívio, então Clark começou a pensar naquilo que ele vinha pesquisando em seu laboratório, a chamada estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC), que envolve a aplicação de leves correntes elétricas na cabeça.

>>> MAIS SOBRE O ASSUNTO: Cientistas conseguem enviar mensagens entre cérebros que estão a 7.000km de distância

O ETCC pertence a um grupo de técnicas que, por não envolverem cirurgia, são conhecidas como “estimulação cerebral não invasiva”. Ainda é uma técnica experimental, mas em 2010 já havia revelado seu potencial não apenas para aliviar a dor, mas também para impulsionar o funcionamento do cérebro e melhorar a memória e a capacidade de atenção em pessoas saudáveis. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) imaginou que isso poderia beneficiar os militares. Na mesma época que Ryan ficou doente, Clark tinha liderado estudos, financiados pelo DoD, que exploravam a estimulação elétrica do cérebro, e produziu resultados notavelmente bons.

Royal College of Surgeons, Londres, janeiro de 1803. Uma plateia assiste com expectativa ao rebelde cientista italiano Giovanni Aldini caminhando a passos largos para a sala. Mais alguém está sendo exibido na frente deles: o corpo de George Foster, um assassino condenado, que fora enforcado mais cedo na prisão Newgate. Usando uma bateria primitiva e conectando bielas, Aldini aplicou uma corrente elétrica no cadáver. Para a surpresa dos espectadores, ele se contorceu e se sacudiu. Em resposta ao estímulo retal, um de seus punhos pareceu dar um soco no ar.

Clark me contou que Aldini estava fascinado pelos efeitos da eletricidade tanto no corpo quanto na mente. Depois de alegar ter curado um fazendeiro deprimido de 27 anos usando estimulação elétrica, Aldini tentou usá-la em pacientes com “loucura melancólica” no Sant’Orsola Hospital, em Bolonha. Ele não conseguiu sucesso completo, em parte porque os pacientes ficaram apavorados com os equipamentos do cientista.

Os experimentos de Aldini com eletricidade foram o começo de um longo e lendário episódio na história da psiquiatria. A eletroconvulsoterapia, que exige correntes fortes o bastante para causar convulsões, foi introduzida no final dos anos 1930. Mas com o surgimento de novos tratamentos efetivos usando remédios, além da crítica pública em livros como Um Estranho no Ninho, de Ken Kesey, as terapias elétricas caíram em desuso. “Em algum ponto, nossa cultura ficou preocupada com a eletricidade e seus efeitos”, diz Clark. “Era algo assustador. Há uma ansiedade geral acerca do assunto, e as pessoas não estão dispostas a olhar para ele de uma forma calma, racional”.

>>> SAIBA MAIS: A ciência parece ter descoberto como funciona o mecanismo que desliga a consciência

Clark fica animado ao recontar a ascensão, queda e subsequente reascensão da estimulação elétrica do cérebro. Enquanto o uso da eletricidade em humanos era vista com desaprovação, neurocientistas ainda estudavam seus efeitos em animais. “Vários dos meus professores da pós-graduação tinham brincado com os efeitos da eletricidade em tecidos vivos”, conta Clark. Nos anos 1960, cientistas descobriram que o ETCC, que envolve correntes até mil vezes mais fracas do que aquelas usadas na eletroconvulsoterapia, poderia afetar a excitabilidade das células do cérebro e ajudar em casos de depressão severa. Mas remédios ainda pareciam mais promissores nos tratamentos psiquiátricos, e o ETCC foi abandonado.

Mas nos anos 1980, a terapia de eletrochoque ressurgiu. Ficou claro que ela poderia ajudar a tratar alguns pacientes com depressão severa, para quem as drogas não tinham efeito. Nessa mesma época estava crescendo o interesse em uma técnica chamada estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr). Um paciente passando por EMTr se senta, sem se mexer, enquanto uma varinha erguida acima de seu crânio gera um campo magnético que penetra o cérebro. Isso pode aliviar a depressão e ajudar na reabilitação após um derrame ou ferimento na cabeça.

Em 2000, Michael Nitsche e Walter Paulus da Universidade de Göttingen, na Alemanha, relataram que o ETCC pode alterar a reposta de alguém a estímulos magnéticos. Enquanto o EMTr acende à força as células do cérebro, o ETCC “prepara a bomba”, tornando mais provável que as células do cérebro acendam como resposta a estímulos, conforme descreve Michael Weisend, um antigo colega de Clark.

Os estudos da Göttingen reacenderam o interesse dos neurocientistas pelo ETCC. Mas o que gerou comentários foram as descobertas acidentais de que o ETCC poderia mudar o funcionamento do cérebro não apenas nos pacientes, mas também em pessoas saudáveis, que haviam sido incluídas nos testes apenas para fins de comparação. Esse trabalho foi de grande influência, diz Clark. Os pesquisadores começaram a investigar o potencial do ETCC para impulsionar cérebros saudáveis e os resultados mostraram que a técnica poderia aumentar  a capacidade de  aprendizado e a memória. Outras equipes se voltaram para o uso do ETCC no tratamento da dor. Como muitos de seus colegas, Clark achou isso fascinante.

Depois de um pós-doutorado no Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA, trabalhando parte do tempo no EMTr, Clark se mudou para Albuquerque, em uma nomeação conjunta da Universidade do Novo México e da Rede de Pesquisas da Mente (MRN), um instituto de pesquisa sem fins lucrativos. O trabalho do cientistas focava em imagiologia cerebral e esquizofrenia. Em 2006, ele foi promovido a diretor científico da MRN. Clark estava ansioso para trabalhar com ETCC, mas também precisava livrar o MRN de suas dificuldades financeiras. O instituto estava gastando demais. “Nós estávamos em um buraco negro financeiro”, ele diz. “Precisávamos de muito dinheiro, e rápido”.

>>> NO BRASIL: Nicolelis, a Copa e o futuro do cérebro

Por volta dessa época, a Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA), a parte do DoD responsável pelo desenvolvimento de novas tecnologias para uso militar, fez uma chamada para propostas de pesquisa em uma área que apelidaram de “Aprendizado Acelerado”. Uma chamada genérica como essa atrai ideias de cientistas de todos os EUA, cada um deles esperando pelos dólares do DoD. Clark e o MRN seguiram o fluxo. “Nós montamos uma proposta para o uso do ETCC. E ela foi financiada. E um monte de dinheiro veio rapidamente. Um monte de gente teve seus empregos salvos”.

Está claro que, para Clark, a preservação dos empregos trazida por esse influxo de dinheiro (que, no final, totalizou seis milhões de dólares) ajudou a justificar o uso de fundos militares. Ele fala de forma positiva sobre o modo como o DARPA faz negócios. “Eu realmente gosto da filosofia deles. Eles querem promover pesquisas de ponta que são muito arriscadas; um risco de 90% de falha é algo perfeitamente aceitável no portfólio deles, porque os 10% que funcionam vão mudar o mundo. Nós temos sorte de estar nesses 10%”.

Brian Coffman sorri de forma tranquilizadora, enquanto me leva para uma pequena sala. Ele já fez ETCC muitas vezes, diz, e já administrou em cerca de trezentas pessoas até o momento. Algumas delas relatam coceira, calor e formigamento, mas nada sério. Raramente, alguém fica com dor de cabeça.

Coffman, um estudante de PhD que trabalha com Clark, usa fita adesiva para prender o eletrodo cátodo não-estimulante ao meu braço esquerdo e o ânodo, que fornece a corrente, à lateral da minha cabeça, entre minha orelha e meu olho. Esse posicionamento é planejado para maximizar a corrente que é levada até a região-alvo do meu cérebro. Os eletrodos estão dentro de esponjas que foram encharcadas em água salgada condutora, então um pouco de solução salina escorre pelo meu rosto. Eles estão conectados por fios a uma bateria de 9 volts. Quando Coffman liga a bateria, eu sinto uma pequena faísca em meu braço. Descarga estática, ele explica, e pede desculpas.

Quando Coffman elevou a corrente até dois miliamperes, o nível máximo usado na maior parte dos estudos de ETCC, eu fiquei com uma sensação de coceira no braço, mas foi só isso. Coffman se certifica de que estou confortável, então sou colocada para fazer uma tarefa no computador. O software se chama DARWARS, e foi serve para ajudar os recrutas do exército a se familiarizarem com os tipos de ambiente que eles podem encontrar no Oriente Médio. Clark e sua equipe o modificaram, adicionando alvos escondidos em metade das 1.200 cenas estáticas. Imagens bastante cruas geradas por computador aparecem rapidamente, mostrando blocos de apartamentos abandonados, estradas desertas ou ruas cheias de estandes de quitandeiros. Eu tenho que apertar botões em um teclado para indicar se na cena há ou não alguma ameaça. Às vezes, ela é bem óbvia. Na maior parte do tempo, não. Um período de treino ajuda o usuário a aprender o que pode ser perigoso e o que provavelmente é benigno. Quando eu não vejo um combatente inimigo que está parcialmente escondido, então um dos meus parceiros virtuais desce à terra e eu sou advertido verbalmente: “Soldado, você deixou escapar uma ameaça. Você acaba de perder um membro de seu pelotão”.

Eu não senti que a estimulação tenha me ajudado, mas depois Coffman me disse que minha performance melhorou após a estimulação. Isso não significa nada, cientificamente, mas eu posso pelo menos atestar que, ainda que eu não tenha sentido minha mente mais afiada durante ou após o ETCC, eu também não tive quaisquer efeitos negativos.

A equipe do MRN usou esse software em parte da pesquisa financiada pelo DARPA. Primeiro, eles obtiveram imagens dos cérebros dos voluntários, para ver quais regiões estavam ativas conforme eles aprendiam a identificar ameaças. Então, eles aplicaram à região crítica, o córtex frontal inferior, uma corrente direta de dois miliamperes por 30 minutos. Foi descoberto que o estímulo cortou pela metade o tempo que levava para os voluntários aprenderem. Isso foi uma grande surpresa, diz Clark. “A maior parte dos estudos com ETCC não conseguem um efeito tão grande. Muitos são questionáveis”.

krzvcnwdkxcgrxihyrxu

Essa é uma das críticas que vêm sendo feitas ao ETCC: nem sempre os resultados são tão bons. Clark está convencido que isso é porque muitos estudos não envolveram a obtenção de imagens dos cérebros primeiro, para identificar as regiões que realmente precisavam de estimulação. “Muitos confiam no senso comum de como o cérebro foi feito para ser organizado. Eu percebi, em 33 anos olhando para o cérebro, que nós ainda temos muito o que aprender”, ele diz. Michael Weisend, que colaborou com o estudo, concorda. Ele chama o trabalho com imagiologia de “o tempero secreto”.

A despeito dos resultados impressionantes, o feedback dos colegas não foi unânime. E Clark estava, na época, se sentindo desconfortável com várias coisas, sendo que a maior delas eram seus benfeitores, de onde vinha o dinheiro que financiava a pesquisa do cientistas.

“Ela é grande. Ah, sim, é grande”, concorda Estella Holmes, relações públicas da Força Aérea americana, que acabou de me dar uma carona de minivan para dentro da Base de Wright-Patterson. Wright-Patt, como a base parece ser chamada por todo mundo que conhece o lugar, é perto de Dayton, Ohio. É a maior de todas as bases da Força Aérea americana, empregando cerca de 26 mil pessoas. Ela é rica em história. Foi nessa área que Wilbur e Orville Wright conduziram seus experimentos pioneiros com voo. O que eles ajudaram a começar continuou aqui, no Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL).

O AFRL inclui a 711ª Ala de Desenvolvimento Humano, cuja missão é “desenvolver o desempenho humano no ar, no espaço e no ciberespaço”. A Wright-Patt é tão grande que nem mesmo Holmes tem total certeza de aonde estamos indo. Nós tivemos que pedir informações a um aviador que estava passando. Ele está fardado, mesmo sendo segunda-feira. Nas segundas, Holmes tinha me informado, o protocolo é usar o uniforme azul, a não ser que algum serviço sujo esteja agendado. Quando nós entramos, no entanto, todo mundo está em fardas comuns. Um grupo de aviadores está em uma reunião informal num café no átrio, enquanto outros estão pra lá e pra cá em suas tarefas. Antigos cirurgiões gerais da Força Aérea inspecionam seus quadros pendurados em uma parede longa. A atmosfera está silenciosamente movimentada.

>>> MAIS SOBRE O CÉREBRO: Varredura em 3D mostra as conexões entre os neurônios

Quando um homem jovem se aproxima de nós, deslocado não apenas por estar em roupas civis (um terno desencanado/moderno), mas por usar o cabelo longo e um cavanhaque. Eu fico momentaneamente chocada. “Quando conheci Andy, ele parecia ser um militar na ativa, enquanto eu tinha um rabo de cavalo até a altura do meu cinto”, Weisend me contou depois. “Eu gosto de pensar que o trouxe para o caminho do cabelo comprido e fico orgulhoso disso!”

Andy McKinley é o parceiro de pesquisas de Weisend e o principal pesquisador interno de ETCC dos militares, liderando um laboratório na Ala de Performance Humana. Seu pai era um engenheiro biomédico do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea americana. “Eu acho que segui os passos dele”, diz McKinley. “Eu também gosto da possibilidade de que minha pesquisa possa levar ao desenvolvimento de tecnologias que possam continuar nos dando vantagem estratégica militar e aprimorar a segurança nacional”. Ele se juntou à equipe dois anos depois de terminar a faculdade e começou investigando os efeitos da gravidade alta sobre a performance cognitiva dos pilotos. Depois de um PhD em engenharia biomédica, com neurociência como campo secundário de estudos, ele começou a trabalhar com estimulação cerebral não invasiva. “Nós começamos a reparar que muito da literatura médica sugere que o funcionamento cognitivo pode ser aprimorado”, ele diz. “E, particularmente em grupos de controle, que são pessoas normais e saudáveis. Nós começamos a pensar: se isso pode ajudar esses participantes saudáveis, podemos usá-la como um instrumento de intervenção nas forças armadas, para ajudar a melhorar a função cognitiva”.

McKinley tem entre seis e dez pessoas trabalhando com ele (o número flutua caso ele tenha ou não estudantes em estágio de verão). Até onde ele sabe, sua equipe é a única nas forças armadas dos EUA, ou em quaisquer outras, investigando a estimulação não invasiva do cérebro. Outros países certamente estão interessados: O Laboratório de Pesquisa e Ciência da Defesa do Reino Unido, parte do Ministério da Defesa, está pagando por pesquisas da Universidade de Bangor, no País de Gales, que tratam da possibilidade do ETCC ampliar a capacidade de observação, e financiando estudantes de PhD da Universidade de Nottingham para conduzir estudos sobre o aumento da cognição e na performance, em parte usando ETCC.

O ETCC é uma tecnologia incomum, já que seus efeitos em pessoas saudáveis foram descobertos por acidente. Então, a pesquisa de McKinley tem duas frentes: a primeira é o melhor entendimento da neurociência básica. A segunda é o desenvolvimento de utilizações práticas.

No dia da minha visita, um teste de ETCC está acontecendo em um dos laboratórios menores de McKinley. Um aviador está sentado de frente para um monitor, preso por eletrodos, sua jaqueta pendurada nas costas de sua cadeira. Símbolos em forma de avião ficam entrando no espaço aéreo [mostrado em seu monitor]. Ele tem que decidir se o avião que está chegando é amigo ou inimigo. Se for inimigo, ele deve enviar um alerta. Se o inimigo for embora, tudo bem. Se não for, deve ser derrubado. O laboratório está em silêncio, fora os bips conforme ele aperta os botões e os estrondos quando o míssil virtual destrói um avião que se recusou a cooperar.

A tarefa obviamente envolve tomada de decisões, mas também tem um elemento físico “motor”: você precisa apertar os botões na sequência correta e tem que fazer isso rapidamente, para conseguir uma boa pontuação. Depois de um tempo, esse tipo de tarefa fica bastante automático. “Quando você está aprendendo a andar de bicicleta ou com algum veículo manual, seu processo é muito consciente, porque você está pensando em todos os passos. Mas, conforme você faz com mais frequência, isso se torna mais e mais inconsciente”, diz McKinley. “Nós queremos ver se conseguimos acelerar essa transição com o ETCC”.

A imagiologia cerebral sugere que a melhor forma de fazer isso seria estimular o córtex motor enquanto o voluntário realiza a tarefa. Mas McKinley e seu time acrescentaram um reviravolta: depois da estimulação, eles usam o ETCC invertido, para inibir o córtex pré-frontal dos voluntários, que está envolvido no pensamento consciente. No dia seguinte à estimulação, os voluntários são trazidos de volta para um novo teste. “Os resultados que estamos alcançando são fantásticos”, diz McKinley. As pessoas que receberam a estimulação durante o teste e [depois] a inibidora, foram 250% melhor em seus novos testes, uma performance muito melhor do que as das pessoas que não receberam nenhum dos dois. Usado dessa forma, parece que o ETCC pode turbinar o tempo que leva para alguém passar de novato a especialista em uma tarefa.
Na teoria, esse processo de dois passos pode ser usado para aumentar a velocidade de todos os tipos de treinamento, desde pilotar um avião até mirar um tiro. Mas, por ora, a análise de imagens está no topo da lista de McKinley. É um trabalho meticuloso, que requer muita atenção. Analistas de imagem passam todo seu dia de trabalho estudando imagens de câmeras de vigilância, atrás de qualquer coisa que possa ser importante.

Em outros estudos, a equipe de MacKinley também usou o ETCC para dar uma carga extra para a atenção, que também pode ajudar os analistas de imagem. Pediu-se que voluntários se encarregassem de uma simulação rudimentar do monitoramento de tráfego aéreo. Nesse tipo de tarefa, a performance cai com o tempo. “É um decréscimo bem linear”, diz McKinley. Mas, quando estimulavam o córtex pré-frontal dorsolateral dos cérebros dos voluntários, uma área que descobriram ser crucial para a atenção, eles descobriram que não houve qualquer redução na performance por todos os quarenta minutos de duração do teste. “Isso nunca havia sido mostrado antes” ele diz, entusiasmado. “Nós nunca tínhamos sido capazes de encontrar nada que causasse esse tipo de preservação da performance”.

O ETCC não é o único instrumento de estimulação do cérebro que McKinley considera interessante. Além de seu trabalho com estimulação magnética, outros times estão voltados para o ultrassom e até mesmo para a luz laser, bem como para diferentes formas de estimulação elétrica, por exemplo, usando corrente alternada. McKinley está prestes a começar a investigar o ultrassom também, e está interessado em como a corrente alternada pode influenciar as ondas cerebrais. Mas, enquanto ele diz que é neutro sobre qual tipo de estimulação pode ser a melhor para o aprimoramento da conexão, o ETCC tem algumas vantagens. Pra começar, diferente do ultrassom ou do magnetismo, a eletricidade é uma parte natural da comunicação entre as células do cérebro, além de ser barata e portátil. Ele acredita que o ETCC é a melhor aposta para um dispositivo de estimulação cerebral que possa ser usado.

>>> SAIBA MAIS: Cientistas conseguiram filmar o processo de formação das memórias

Como resultado, McKinley prevê uma cobertura [quepe, boina etc.] wireless que incorpore sensores de eletroencefalografia (EEG) e eletrodos de ETCC. Essa cobertura dois-em-um monitoraria a atividade cerebral e, quando necessário, forneceria estimulação direcionada, ampliando a atenção de quem está usando o equipamento, caso a performance da pessoa pareça estar enfraquecendo. A tecnologia básica já está disponível.
McKinley e Weisend estão trabalhando para aprimorá-la e refiná-la. Com a ajuda de especialistas em materiais do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea, eles desenvolveram eletrodos baseados em EEG que usam gel, no lugar de uma esponja molhada, o que dizem que a torna mais confortável de se vestir. Agora, eles também se beneficiam de um conjunto de cinco mini-eletrodos dentro de cada ânodo e cátodo, para espalhar a corrente e reduzir o risco de danos à pele.

Junto com as melhorias no aprendizado e na atenção em situações normais, McKinley descobriu que o ETCC pode combater o declínio no desempenho mental que normalmente vem com a falta de sono. Outros pesquisadores descobriram que, dependendo de onde é aplicada a corrente, o ETCC pode tornar uma pessoa mais lógica, aumentar sua habilidade matemática, ampliar sua força e velocidade físicas, e até mesmo afetar sua habilidade de fazer planos, sua propensão a correr riscos e sua capacidade de enganar; parece que o ETCC pode melhorar ou piorar a produção de mentiras. Embora muito desse trabalho ainda seja preliminar, todos esses efeitos têm potencial para serem explorados por qualquer organização militar, ainda que McKinley se esforce para afirmar que o “controle da mente dos soldados” não é seu objetivo. Os maiores empecilhos para lançar uma cobertura de ETCC a ser usada rotineiramente pelos militares dos EUA (ou por qualquer pessoa) não tem tanto a ver com a tecnologia ou com seus possíveis efeitos, mas com as perguntas ainda sem respostas sobre a essência do método.

“Vamos falar de crânios!”

Eu estou com Mike Weisend em um Max & Erma’s, um restaurante de comida americana a uns cinco minutos, de carro, de seu novo escritório no Instituto de Pesquisa Wright State. O Instituto fica a cerca de dez minutos da Base da Força Aérea Wright-Patterson. Na mesa também estão Larry Janning e David McDaniel, da Defense Research Associates, uma empresa local que cria tecnologias “para apoiar os soldados”.

No carro, no caminho para lá, Weisend me contou sobre suas primeiras e macabras tentativas de ter uma noção melhor do que acontece  com a eletricidade quando é aplicada no crânio. “Primeiro, eu me uni a uma companhia que pesquisa o dano acústico em cabeças de cadáveres. A ideia era que a gente ficasse com as cabeças depois. Era um trabalho nojento, desagradável. Eu não conseguia lidar com ele”. Mas esse tipo de dado estava no topo da lista de desejos dele e de McKinley.

Ninguém sabe ainda qual duração da estimulação elétrica ou quantas estimulações trazem o maior impacto ao desempenho, ou qual nível de corrente é o ideal. Nem ninguém sabe se uma estimulação pode causar uma mudança permanente. Isso tornaria a cobertura dois-em-um desnecessária, diz McKinley, mas pode ou não ser desejável, dependendo da utilização. Em diversos estudos há pistas de que mesmo uma única sessão de ETCC pode ter efeitos a longo prazo. Ninguém sabe por quanto tempo os efeitos sobre a atenção persistem após os quarenta minutos do breve estudo no controle de tráfego aéreo, diz ele.

Outra coisa que ninguém sabe com certeza é pra onde a eletricidade vai quando é aplicada a diversas partes do crânio. Certamente, é um estímulo bastante amplo e impreciso, com uma abordagem mais para “escopeta” em vez de um “bisturi”, como Weisend descreve. Mas enquanto há exemplos que indicam para onde os neurocientistas acham que a eletricidade vai no cérebro, e precisamente quais partes são afetadas, McKinley diz que isso ainda não é bom o bastante. Você não pode colocar eletrodos na cabeça de uma pessoa viva para descobrir isso. “Então o que nós queremos”, McKinley me disse, “é um crânio fantasma”.

Hoje, Weisend quer falar com Janning e McDaniel sobre a construção desse fantasma, um modelo de uma cabeça humana. A ideia é usar um crânio de verdade, mas com uma gosma gelatinosa e condutora dentro dela, imitando um cérebro.

A princípio, ninguém tem muita certeza de como arrumar o crânio com sensores de uma forma que possa produzir resultados realistas, especialmente porque Weisend quer que ele seja útil para pesquisa com várias técnicas de estimulação. Enquanto comemos hambúrguer de feijão preto e tomamos sopa, conversamos sobre múltiplos receptores e problemas com sinais de pulso. Então, McDaniel vem com a ideia de inserir, no buraco na base do crânio, uma placa de circuito dobrada como um leque, que se abriria uma vez que estivesse lá dentro. Weisend se empolga com a ideia. Ele junta seus punhos, colocando as falanges em contato. “O cérebro é assim”, diz ele. “Você tem fibras correndo como meus dedos [nessa posição]”. Ele decide que a forma de leque seria uma imitação decente para as fibras. “Eu gosto dessa ideia. Eu gosto muito dela!”

Tanto McKinley quanto Weisend estão interessados na neurociência básica do que, exatamente, o ETCC faz ao cérebro, mas também na tecnologia – e na questão da segurança. Essa é obviamente uma grande preocupação quando você está falando sobre bombardear o cérebro com eletricidade, mesmo se a corrente for baixa. As descobertas positivas com o ETCC e, sendo o equipamento relativamente barato, fizeram com que o ETCC feito em casa se tornasse um tópico de discussão popular na internet. Você pode comprar tudo que precisa por menos de duzentos dólares e, julgando pelos fóruns online, várias pessoas estão fazendo isso. Mas Weisend tem algumas grandes preocupações sobre isso. Pra começar, os próprios eletrodos.

“Está vendo isso?” ele levanta a manga do braço direito para mostrar uma pequena cicatriz na parte de dentro do antebraço. “Eu testei todos os tipos de eletrodos em mim mesmo antes de os usarmos em pessoas comuns”, ele diz. “Não gosto de fazer a outras pessoas nada que eu não faça a mim mesmo”. Depois de testar um eletrodo particularmente novo, um assistente de pesquisa limpou seu braço e um pedaço de pele do tamanho de uma moeda saiu. “Tinha consistência de catarro”, diz Weisend. “Eu conseguia ver o músculo embaixo”. O problema era o formato: o eletrodo era quadrado, e a corrente se concentrou nos cantos. Esse foi um dos diversos resultados, em sua maioria menos desagradáveis, que ajudaram ele e McKinley a desenvolver o atual conjunto de cinco eletrodos que espalham a corrente.

>>> ENTENDA: Como ondas de ultrassom podem melhorar as capacidades sensoriais

Kits para ETCC em embalagens bonitas, que visam ao público geral e não os cientistas, já estão à venda para o consumidor final. Mas Weisend e McKinley (e todos os outros pesquisadores de ETCC com quem eu falei) acham que é muito cedo para dispositivos comerciais. Na verdade, todos eles pareceram preocupados. Se alguma coisa der errado e alguém se machucar, talvez com um eletrodo imperfeito ou por usar o kit por “tempo demais” – uma duração que ainda precisa ser definida – não seria ruim só para a pessoa: o conceito do ETCC seria estigmatizado novamente, diz McKinley.

Até agora, parece que não há efeitos prejudiciais causados pelo ETCC, pelo menos, não nos níveis e durações usados rotineiramente pelo laboratório. Weisend acredita que não existe almoço grátis, e admite que podem existir efeitos colaterais no ETCC que ninguém conhece ainda. Outros são mais otimistas. Felipe Fregni, diretor do Laboratório de Neuromodelação do Hospital de Reabilitação Spaulding, em Boston, Massachusetts, diz que não há motivo para achar que mesmo o uso a longo prazo possa causar problemas, se forem os baixos níveis e curtas durações tipicamente utilizados nos estudos em laboratórios. “Sendo um clínico, uma coisa que aprendemos na faculdade de medicina é que os tratamentos que funcionam bem têm grandes efeitos colaterais. Então você vê uma coisa com nenhum efeito colateral e pensa ‘nós estamos deixando de ver alguma coisa, ou não?’. O ETCC está apenas ampliando o que o seu sistema já está fazendo. Baseado nos mecanismos, eu me sinto confiante de que a técnica é bastante segura”.

A falta de efeitos colaterais, algo de que a maioria das drogas não pode se gabar, é uma das razões pelas quais o ETCC é tão excitante como instrumento clínico, diz Vince Clark. Em muitos casos, um remédio será mais adequado. Mas o ETCC pode aliviar a dor sem deixar o usuário viciado. Ele pode afetar o cérebro sem danificar o fígado. Como não parecem existir efeitos colaterais, o ETCC é pelo menos tão seguro quanto as drogas que são, atualmente, aprovadas para o uso em crianças. 11% das crianças nos EUA foram diagnosticadas com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, e muitas tomam estimulantes como a Ritalina. Ninguém tem certeza de que não existem efeitos a longo prazo no uso do ETCC, mas segundo Clark o mesmo pode ser dito sobre a Ritalina.

jcq9rmyptyxi3fyhh8au

Enquanto o ETCC não é aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA para uso médico, relatos anedóticos levam Clark a acreditar que seu uso sem indicação formal (quando os médicos recomendam algo que acreditam que vai ajudar o paciente, mas não é algo reconhecido como um tratamento) está crescendo, particularmente para dor crônica e depressão. Hospitais estão começando a usar a técnica clinicamente. Em Boston, Fregni e seu colega León Morales-Quezada começaram recentemente a usar o ETCC durante a reabilitação de pacientes jovens com danos cerebrais. Com um menino de três anos que sofreu graves danos cerebrais ao quase se afogar em uma piscina, eles alcançaram resultados “fantásticos”, diz Morales-Quezada. Após o tratamento, o menino ganhou um controle muito melhor de seus movimentos e foi capaz de falar.

Há um outro “risco”: que o dispositivo não ajude qualquer um, e aí as pessoas vão dizer que o ETCC não funciona. Realmente, as pessoas não respondem igualmente à estimulação, e ainda não se sabe o motivo disso. Essa é apenas uma das áreas que precisa de mais pesquisa, e pesquisa exige dinheiro.

Para Clark, seus estudos não são fundamentalmente sobre ajudar a ensinar um soldado a perceber uma ameaça e lidar com ela (o que, no mundo real, pode envolver identificar e matar um inimigo), mas sobre investigar como o cérebro detecta ameaças. “Muitas pessoas que resenharam minha pesquisa dizem que é um bom trabalho, mas tem que ser sobre os militares? Isso as deixa infelizes. Muitos intelectuais ficam desconfortáveis com a guerra. Eu fico”.

Além disso, há algo que ainda o incomoda. Em 2003, Joseph Wilson, ex-diplomata dos EUA, publicou um artigo no New York Times argumentando que o presidente George W. Bush tinha enganado o público ao afirmar que o Iraque estava comprando urânio na África, [e isso foi] parte do furor maior sobre a decisão de ir à guerra no Iraque. Uma semana depois foi revelado que sua esposa, Valerie Plame Wilson – uma amiga de Clark – era uma agente da CIA. A coisa toda tinha sido uma retaliação por seu artigo, seu esposo alegou. “Eu conheci Valerie por dez anos antes disso, sem saber que ela era agente da CIA”, diz Clark. “Ela era uma patriota incrível, e eu fiquei realmente triste ao perceber que, porque as pessoas estavam bravas com seu marido, ela tenha perdido sua carreira e sua capacidade de fazer aquele trabalho… então ali eram meus amigos, passando por aquilo. Aqui estou eu, sendo pressionado para usar essa tecnologia para o desenvolvimento de armas”.

Desenvolvimento de armas? Por volta da época da doação do DARPA, o foco da Rede de Estudos da Mente começou a se voltar mais e mais na direção do desenvolvimento de ferramentas que os militares pudessem usar, diz Clark. “Eu não posso dizer o que foi discutido, mas posso mencionar algumas possibilidades”, ele diz. “Um dispositivo que deixe as tropas inimigas inconscientes, ou as deixe confusas ou tristes demais para lutar, pode ser transformado em uma arma. Podem ser conseguidas armas que alterem pensamentos e crenças, ou que afetem diretamente a capacidade de tomar decisões ou que ‘recompensem’ caminhos no cérebro para alterar seu comportamento, ou que mantenham alguém consciente enquanto está sendo torturado”. Ele também ouviu conversas sobre o uso de ETCC para aprimorar o treinamento de atiradores, o que ele não aprovava. “Eu tinha meus princípios e objetivos, eles tinham os deles, e estávamos em conflito direto”.

Em 2009, foi encontrado um erro nos pagamentos bônus dos assistentes de pesquisa do projeto DARPA. Clark diz que não era nada sério, mas como havia seu histórico de disputas com colegas sobre o direcionamento do instituto, isso se tornou um grande problema. Logo depois, ele perdeu sua posição como principal pesquisador no trabalho da DARPA.

Após apertos de mão entusiasmados e promessas de mais discussões com a equipe da Defense Research Associates, Weisend boceja e pede desculpas. Ele está em Ohio há apenas seis semanas. Tem sido um período muito ocupado em se estabelecer, tentar conhecer novos colegas e encontrar possíveis colaboradores. Além disso, ele e sua esposa finalmente compraram uma TV noite passada, ele acrescenta. Ele não consegue resistir a ficar acordado assistindo antigos episódios de Jornada nas Estrelas. De volta a seu escritório, nós sentamos e falamos sobre ETCC, seus projetos atuais, a Rede de Estudos da Mente, Vince Clark, o Departamento de Defesa e a “cor do dinheiro”.

O primo de Weisend, David, estava nas Forças de Operações Especiais dos EUA. Sua irmã, Joan, teve uma carreira como auxiliar médica da marinha americana. Ela completou muitas voltas ao mundo, incluindo Iraque e África. Um incêndio a bordo de um barco em uma de suas viagens resultou em múltiplas operações em seu pulso, pescoço e ombro. Entre 1997 e 2004, Weisend também trabalhou no New Mexico Veterans Affairs Hospital, cuidando de um centro de magnetoencefalografia (MEG), que examinava detalhadamente os cérebros dos pacientes. Ele lembra de um paciente em particular, uma mulher que recebeu um ferimento na cabeça após cair de um veículo em movimento durante a primeira Guerra do Golfo. Como resultado, ela tinha epilepsia. O esquadrinhamento de seu cérebro usando MEG permitiu que a equipe médica fizesse a cirurgia que interrompeu as convulsões com o mínimo de dano possível ao tecido saudável. “Eu vi pessoalmente os efeitos [da ação militar] à saúde dos soldados no hospital, e na minha irmã, e no meu primo”, ele diz. “Qualquer coisa que eu possa fazer para ajudar esses caras, eu vou fazer”.

>>> MAIS: Agência dos EUA vai investir 70% no desenvolvimento de chips cerebrais

Quando Clark perdeu seu cargo, Weisend foi convidado a tomar a liderança, e foi ele que desenvolveu e supervisionou a segunda fase da pesquisa. O financiamento do DoD é uma grande parte de sua renda no laboratório do Wright State Research Institute, diz Weisend, por projetos “divertidos, excitantes” sobre os quais ele não pode falar. Ele sabe muito bem que nem todo mundo está confortável com os ganhos ligados às forças armadas. “Há pessoas, especialmente nos departamentos universitários, que se preocupam com a “cor do dinheiro”; dinheiro da Defesa, no lugar de dinheiro da NIH [Insitutos Nacionais de Saúde dos EUA] para ciência pura”, ele diz. A opinião dele é que você nunca sabe como a pesquisa básica vai ser usada, e se for usada para o mal, é a agência que faz o mal que deve ser responsabilizada, não o pesquisador que trabalhou na ciência que o originou.

E sobre a pesquisa que Clark ouviu falar, sobre o uso de ETCC no treinamento de atiradores? Isso pertence à categoria de pesquisa que aparece “na imprensa popular”, mas não “no laboratório”, Weisend diz, embora acrescente que não é contra isso, na teoria. “A conclusão é que Vince e eu vemos o mundo de formas diferentes, a respeito do trabalho da DARPA e as direções que ele tomou”, ele diz. “Se Vince conversou sobre a transformação dos nossos resultados em armas, eu não estou a par dessas conversas. Eles podem ser transformados em armas? Sem dúvidas. Mas, novamente, uma caneta esferográfica também pode. Nós sempre nos focamos na melhoria do desempenho, medida por meio da redução de erros e de incertezas. Nós nunca fizemos experiências com armas na MRN”.

Weisend me diz que, por muito tempo, foi difícil conseguir voluntários militares para os estudos financiados pela DARPA. Ao contrário dos civis, eles não podem ser pagos para fazer parte. Então, ele teve a ideia de encomendar uma moeda especial. Ele me mostra uma. É pesada e impressionante, do tamanho de uma medalha. Em um lado, há o exterior de um cérebro humano em alto relevo, em outro os emblemas coloridos tanto da 711ª Ala de Performance Humana quanto do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea, com “The Mind Research Network” gravado abaixo.

Moedas como essa são muito populares entre os militares, diz Weisend. Ele me mostra sua coleção. Há uma de um amigo que trabalha no Pentágono, outra de seu primo, da época em que estava nos Green Hornets, o 20º Esquadrão de Operações Especiais da Força Aérea. “Nós não conseguíamos descobrir como conseguir que os militares chegassem”, ele diz, “então criamos essas [moedas]. E eles saíram de suas tocas para consegui-las”.

Enquanto os estudos da MRN envolvem uma mistura de voluntários estudantes e militares, Andy McKinley recruta seus voluntários da Base da Força Aérea Wright-Patterson. McKinley ressalta que, no momento, o ETCC ainda é experimental. Ainda não é um treinamento de rotina das Forças Armadas dos EUA. Porém, alguns pesquisadores estão preocupados.

Bernhard Sehm, neurologista cognitivo do Instituto Max-Planck da Cognição Humana e Ciências do Cérebro em Leipzig, na Alemanha, tem uma lista de preocupações sobre o ETCC e os militares. Pra começar, ele diz que está longe de se convencer que os resultados de laboratório poderiam ser passados para o mundo real, com exigências complexas como o combate. Além disso, “alguns pesquisadores têm discutido como aprimoramento de uma habilidade específica pode resultar na deterioração de outra”, ele diz. “O uso de estimulação não invasiva no cérebro de soldados representa um risco tanto para a pessoa que recebe quanto para outras pessoas que podem se machucar com suas ações”. Sehm também está preocupado com a autonomia dos soldados. “Em geral, os militares não podem decidir voluntariamente se receberão um ‘tratamento’ ou não”, ele diz.

Conforme o DoD continua a financiar a pesquisa com ETCC, alguns pesquisadores do campo decidiram tomar uma posição firme contra o dinheiro ligado às Forças Armadas. Chris Chambers, um psicólogo na Universidade de Cardiff, no País de Gales, conduz pesquisas sobre a estimulação magnética do cérebro. Quando representantes da QinetiQ, uma empresa britânica de tecnologia de defesa, contatou-o e disse que fundos poderiam estar disponíveis para colaboradores associados, ele diz que rejeitou a oferta por uma questão de princípios.

Essa não é, necessariamente, uma decisão fácil. Companhias farmacêuticas não estão interessadas em pagar pela pesquisa, porque não só o ETCC não é uma droga como também, em alguns casos, estaria em competição direta com uma droga, e pode até mesmo ter grandes vantagens. “[O ETCC] não circula pelo corpo, então ele não afeta outros órgãos que a maior parte das drogas pode prejudicar”, diz Clark. “Ele não é viciante. Se ocorrer qualquer problema, você pode desligá-lo em segundos. É barato, também”. Esses benefícios, infelizmente, restringem as opções dos pesquisadores aos órgãos de financiamento público (que não estão jogando dinheiro no ETCC), companhias privadas ligadas à defesa, ou as Forças Armadas.

No passado, o financiamento do DoD gerou inovações que tiveram grande impacto na vida civil – pense nos satélites de GPS ou até nos fones de ouvido que cancelam os sons externos. Andy McKinley espera que uma forma efetiva e segura de ETCC se junte a essa lista. Mesmo que o DoD não tenha especialistas internos o suficiente para fazer a pesquisa, ele tem o dinheiro.

Clark ainda é supervisor de pesquisa no MRN, mas trabalha a maior parte do tempo na universidade. Atualmente, ele está juntando “quaisquer bocados de dinheiro que eu consiga encontrar” para seguir com pesquisas médicas: para investigar se o ETCC pode ou não tratar o vício de alcoólatras, reduzir as alucinações de pessoas com esquizofrenia e acalmar o comportamento impulsivo ligado à exposição pré–natal ao álcool. Mesmo que essa pesquisa seja relativamente barata, financiá-la ainda é um problema. Dado o rápido crescimento das pesquisas com ETCC publicadas em periódicos acadêmicos, Clark espera que os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA comecem em breve a levar a sério as pesquisas com ETCC e a pagar por estudos controlados e em larga escala.

Dentre as pistas promissoras estão outras descobertas de que o ETCC também parece funcionar bem com tipos de dor que não respondem bem aos analgésicos convencionais, como a dor crônica e a dor vinda do dano em nervos. Nesses casos, o alvo normalmente é o Córtex motor, e a ideia é reduzir os sinais de dor. O que me traz de volta para Ryan, uma das grandes motivações para a pesquisa de Clark. Clark chegou a testar [o ETCC] em seu filho? Quando Ryan ficou doente pela primeira vez, “nenhum dos médicos tinha ouvido falar do ETCC”, ele me disse, “e eu decidi não tentar sem ajuda médica”. Ele também cruzou com uma abordagem de baixa tecnologia: uma “órtese” similar aos protetores bucais que as pessoas usam contra bruxismo. Para a surpresa de Clark, isso aliviou a dor de Ryan e facilitou seus movimentos. Mas Clark diz que ficaria feliz se Ryan testasse o ETCC. Se a proteção parar de funcionar e ele puder encontrar um médico que trabalhe com a técnica, “eu não acho que haveria qualquer problema”, ele diz.

Clark fica excitado com o potencial do ETCC para ajudar pessoas doentes, como seu filho, e também pessoas saudáveis. Mas ele diz que agora está clara sua posição sobre quais financiamentos aceitar e quais pesquisas fazer. “Eu quero ver o ETCC sendo usado para ajudar”, ele diz, “não para machucar”.

Content retrieved from: http://gizmodo.uol.com.br/e-possivel-estimular-o-cerebro-humano-para-melhora-lo.

Motorola desiste de fazer relógios inteligentes por enquanto

Se você era uma das poucas pessoas que tinha um Moto 360 e estava esperando por um novo modelo dele, temos más notícias. A Motorola e a Lenovo confirmaram hoje que não têm planos de lançar um novo relógio inteligente no futuro próximo. As empresas não descartaram totalmente esse mercado, mas por ora não há nada a caminho.

Em entrevista ao The Verge, o chefe global de desenvolvimento de produtos da Motorola, Shakil Barkat, disse que a empresa “não vê demanda suficiente no mercado para lançar [um novo smartwatch] neste momento”. “Dispositivos vestíveis não têm um apelo amplo o suficiente para que nós continuemos a trabalhar neles ano após ano”, continuou.

Mantendo a esperança dos fãs, Barkat disse que “acreditamos que o punho ainda tem valor e que haverá um ponto em que eles tragam mais valor para o consumidor do que eles trazem hoje”. No entanto, segundo o Engadget, ele confirmou que a empresa não tem nenhum lançamento nessa linha programado para qualquer ponto do futuro próximo.

Mercado estacionando

A decisão da Motorola faz sentido: o mercado de relógios inteligentes vem passando por sucessivas quedas nas vendas e uma concentração cada vez maior em torno do Apple Watch. Em outubro, uma pesquisa da IDC revelou uma queda de 51,6% no número de unidades vendidas desses aparelhos entre os terceiros trimestres de 2015 e 2016.

Nesse período, a Lenovo, especificamente, viu uma queda de 73,3% em seus aparelhos vestíveis, o que justificaria a decisão dela de se afastar, ao menos temporariamente, do mercado. Mesmo a Apple, embora tenha se mantido na liderança do mercado, perdeu 71,6% de suas vendas nesse período. A única empresa a ganhar espaço ano a ano foi a Garmin, que faz relógios inteligentes focados em saúde e bem-estar, e cujas vendas cresceram estonteantes 324%.

O próprio Google parece não estar empolgado com o setor. A gigante das buscas é responsável por produzir o Android Wear, o sistema operacional usado por diversos relógios inteligentes, e anunciou em setembro que atrasaria a próxima versão do sistema para 2017.

Content retrieved from:
http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/motorola-desiste-de-fazer-relogios-inteligentes-por-enquanto/64348
.

Fabricantes de relógios e roupas inteligentes podem se unir

A Fitbit, fabricante de dispositivos vestíveis fitness, pode comprar em breve a fabricante de relógios inteligentes Pebble. De acordo com fontes internas, a aquisição tem como principal objetivo integrar a propriedade intelectual da Pebble, como seu sistema operacional.

A Pebble começou a se destacar no mercado em 2012, quando atingiu com louvor uma campanha de financiamento coletivo no Kickstarter. Nos últimos anos, a empresa procurou expandir seus negócios, incluindo novas funcionalidades, mas acabou perdendo espaço para concorrentes como a própria Fitbit.

O valor e a data da compra não foram divulgados, mas especula-se que seja uma “quantia pequena”. Por enquanto, as empresas negociam o acordo.

Content retrieved from:
http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/fitbit-pode-comprar-a-concorrente-pebble/64327
.

Volkswagen cria empresa voltada para mobilidade urbana

O Volkswagen Group anunciou hoje durante o evento TechCrunch Disrupt que criará uma empresa separada, chamada de Moia, para se dedicar a soluções de mobilidade urbana. O objetivo da empresa dentro do grupo Volkswagen será pensar em soluções de transporte urbano que vão além da propriedade individual de um carro.

De acordo com Ole Harms, o CEO da nova empresa, o transporte urbano é o “sangue” das cidades; o objetivo da Moia é ser o “coração”, garantindo que o sangue (carros, ônibus e outros meios de transporte) flua de maneira suave. Para isso, a primeira ideia da empresa é criar veículos fretados com transmissões elétricas que viajarão em percursos desenhados segundo o trajeto de cada cidade.

Esses veículos levarão alguns passageiros por vez e poderão ser requisitados por aplicativo. O usuário chamará o veículo e então esperará por ele em algum ponto próximo ao seu local e à rota do fretado. Nos casos em que o veículo for chamado por uma única pessoa, a Volkswagen pensa em terceirizar essa viagem a outras empresas de transporte, como a Gett.

Problema atual

Segundo Harms, a ideia da Moia veio durante uma viagem a Jakarta, na Indonésia, quando ele se deu conta de que o trânsito deixava a viagem de carro quase inútil. Ele percebeu, também, que esse não era um problema que a Volkswagen conseguia resolver com produtos já existentes. Por isso, a empresa pretende construir os veículos da Moia sob medida para suas ideias e negociar com as prefeituras de cada cidade onde for atuar.

Há também o desafio de negociar com a opinião pública de regiões que já sofrem com muito trânsito. Embora o serviço da Moia seja uma solução de médio a longo prazo, no curto prazo os carros da empresa serão apenas mais carros para o engarrafamento. Ainda assim, o CEO da nova empresa considera que a Moia é parte de uma mudança no mercado de mobilidade urbana que inevitavelmente reduzirá cada vez mais a venda de carros.

Passo a passo

Inicialmente, a Moia pretende atuar em duas capitais europeias até o fim de 2017. Uma delas provavelmente será Berlin, que já abriga o centro de operações da nova empresa. Os planos de expansão, contudo, incluem tanto os EUA quanto a China. Seu objetivo final é se tornar uma das três maiores empresas de mobilidade urbana no mundo nos próximos dez anos.

Talvez a proximidade com Berlin seja um dos fatores que pesou na opção por transmissões elétricas: a capital alemã pretende acabar com carros movidos a combustíveis fósseis até 2030. Outras ideias de design já apresentadas pela empresa incluem também carros autônomos com telas individuais para cada passageiro; além de oferecer entretenimento durante as viagens, essas telas poderiam também veicular publicidade, o que criaria uma nova fonte de receita para o serviço.

 

Content retrieved from:
http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/volkswagen-cria-empresa-voltada-para-mobilidade-urbana/64394
.

Apple lança acessórios novos para ajudar a combater AIDS

Para marcar o Dia Mundial da Luta Contra AIDS, a Apple anunciou uma nova linha de acessórios e produtos cuja venda reverterá uma parcela do preço para a (RED). A (RED) é uma marca que visa arrecadar dinheiro para pesquisas sobre cura e imunização contra AIDS, e que já arrecadou mais de US$ 365 milhões desde sua fundação em 2006.

Os novos produtos incluem uma capinha com bateria extrea para o iPhone 7, uma capinha para iPhone SE, fones de ouvido sem fio Beats Solo 3 e o alto-falanto Bluetooth Beats Pill+. Essas novidades se juntam a uma série de produtos da empresa já lançado nesse mesmo esquema em outros anos; a lista de todos os produtos da Apple que revertem dinheiro para a (RED) pode ser vista aqui.

De acordo com a empresa, esse é o décimo ano em que a Apple e a (RED) fazem esse tipo de parceria. O dinheiro angariado com essas vendas é usado pela (RED) para custear programas que oferecem educação, exames e aconselhamento sobre AIDS, além de financiar a compra de medicamentos que permitem que a síndrome de imunodeficiência adquirida seja transmitida de uma mãe grávida para seu filho.

Outras formas de ajudar

Como o Engadget aponta, há ainda outras maneiras de contribuir para a organização que luta contra AIDS sem precisar comprar nada diretamente da Apple. Uma série de jogos populares da App Store oferecerão conteúdo bônus feito especialmente para a (RED); toda a receita advinda desses conteúdos irá diretamente para a organização. A lista dos 20 jogos participantes inclui Angry Birds 2, Clash of Clans, Candy crush Jelly Saga, Farm Heroes Saga e Plants Vc. Zombies heroes.

Também é possível contribuir para a organização realizando compra nas lojas físicas ou virtuais da Apple usando Apple Pay. Cada compra feita dessa maneira reverterá US$ 1 para a (RED), totalizando um máximo de US$ 1 milhão. E o Bank of America também doará US$ 1 para cada compra feita com seus cartões usando esse método de pagamento. A banda The killers lançou também o disco “Don’t Waste Yout Wishes”, cuja venda é totalmente revertida para a (RED) quando ele é comprado pelo iTunes.

Embora essa contribuição da Apple seja extremamente valiosa para a organização, ela se torna um pouco menos impressionante quando se considera a envergadura financeira da empresa. Apenas entre agosto e setembro de 2016, a empresa faturou US$ 46,9 bilhões, dos quais US$ 9 bilhões sobraram na forma de lucro líquido.

Content retrieved from:
http://olhardigital.uol.com.br/games-e-consoles/noticia/apple-lanca-acessorios-novos-para-ajudar-a-combater-aids/64335
.

Como uma briga econômica entre países pode criar um ‘paraíso pirata’ em 2017

Uma disputa entre os Estados Unidos e o pequeno país caribenho Antígua e Barbuda pode acabar transformando este último em um “paraíso da pirataria”. Isso porque o país caribenho venceu uma causa contra os EUA na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2005 e está ameaçando executar seu direito de suspender os direitos de monopólio intelectual dos EUA.

Essa disputa comercial gira em torno da indústria de jogos de azar de Antígua e Barbuda. De acordo com o TorrentFreak, o setor empregava 5% da população economicamente ativa do país (cuja população total é de cerca de 90 mil pessoas) e respondia por uma quantia considerável de seu PIB anualmente. Isso porque as empresas do pequeno país podiam atuar também no mercado dos EUA.

No entanto, no começo da década de 2000, os Estados Unidos começaram a impedir que as empresas do país caribenho (cujo PIB anual gira em torno de US$ 1 bilhão, muito menos do que a Apple ganha por semana). Isso, segundo o governo local, teria reduzido a receita da indústria de apostas e jogos de azar no país a “virtualmente nada”. 

Levando para a corte

Isso levou Antígua e Barbuda a protocolar uma disputa junto à OMC. E, em 2005, o painel de resolução de disputas do órgão internacional decidiu a favor do país caribenho. Com isso, os EUA precisariam permitir novamente que empresas desse setor de Antígua e Barbuda atuassem em seu território. Caso contrário, o país caribenho teria direito a suspender as “IP Rights” (direitos de monopólio intelectual) de produtos e serviços dos EUA até atingir um total de US$ 21 milhões.

Mas, mesmo com a decisão da OMC, os Estados Unidos se negaram a cumprir o que foi combinado. Isso levou Antígua e Barbuda, em 2013, a ameaçar os EUA com a criação de um “site oficial nacional de pirataria”. A ameaça gerou controvérsia, mas acabou não sendo cumprida. Agora, no entanto, um representante do governo do país caribenho de Antígua e Barbuda enviou uma carta à OMC (pdf) trazendo de volta essa possibilidade.

Paraíso pirata

“Faz doze longos anos que um painel de arbitragem (…) emiiu uma decisão segundo a qual os EUA estavam violando obrigações internacionais (…). Ao longo desses doze anos, meu pequeno país, com PIB de apenas US$ 1 bilhão, perdeu receitas comerciais que agora excedem US$ 250 milhões. Para a pequena economia do meu país, US$ 250 milhões é muito dinheiro”, disse o representante do governo. 

O governo afirma que “pacientemente envolveu-se em consultas de boa fé” com o governo dos EUA, e que os Estados Unidos lucraram ao longo desse tempo mais de US$ 1 bilhão em comércio internacional com o país caribenho. Além disso, o governo ressalta que US$ 250 milhões representam apenas 0,0003% do PIB dos EUA.

Os Estados Unidos, por sua parte, têm sido um dos países mais ativos no painel de resolução de disputas da OMC. A negativa do país em acatar as decisões da OMC, portanto, “tem o potencial de destruir a confiança na eficácia e credibilidade do sistema de trocas com base em regras”, ressalta o governo. 

“À luz do exposto acima, a Antígua e Barbuda agora informa o painel de resoluções de disputas da OMC que, se um acordo apropriado e benéfico não for atingido com os EUA até o fim do ano, o governo precisará tomar atitudes para suspender as marcas registradas nas vendas de produtos de propriedade intelectual dos EUA, de acordo com o prêmio do painel”, afirmou o governo.

Content retrieved from:
http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/como-uma-briga-economica-entre-paises-pode-criar-um-paraiso-pirata-em-2017/64339
.

5 tendências de mídias sociais que podem sacudir o mundo em 2017

Um estudo produzido pelo grupo Kantar Media analisou o que deverá acontecer com as mídias sociais no ano que vem. A análise integral contempla desde a rivalidade cada vez mais acirrada entre Facebook e Snapchat até a invasão dos chatbots e a mudança no comportamento dos internautas.

1. Snapchat vs. Facebook

A rivalidade que vem se intensificando ano após ano, principalmente com as diversas tentativas da empresa de Mark Zuckerberg para tentar acabar com o rival, promete continuar firme e forte em 2017. A briga não deverá ser pelo número total de usuários, mas sim pela quantidade de internautas ativos no serviço.

2. A evolução da realidade aumentada

O fenômeno “Pokémon Go” talvez tenha sido a principal ferramenta em 2016 para expor o uso da realidade aumentada em jogos e aplicativos. A tecnologia não deverá ser abandonada e está nos planos de empresas como Apple, Google, Facebook, Snapchat, Twitter e Amazon.

3. Invasão dos bots

Os bots chegaram pra ficar. Diversos aplicativos têm usado a tecnologia para otimizar seus serviços e facilitar a vida dos usuários e pode-se dizer que 2016 foi o ano dos chatbots – os bots especializados em atendimento e que conseguem manter conversas sem problemas, como a Siri, por exemplo. A previsão é que teremos ainda mais bots em 2017.

4. Redes sociais ofuscando sites e blogs

Antigamente as empresas produziam conteúdo para seus sites e blogs e usavam as redes sociais para tentar trazer o público para essas páginas. Isso tem mudado aos poucos e em 2017 a tendência é que cada vez mais players adotem a estratégia de produzir conteúdo diretamente na rede social sem a preocupação de levar o usuário para algum site.

5. Voz no lugar dos dedos

Mais pessoas vêm usando comandos de voz para dar ordens em seus dispositivos, principalmente em smartphones. A ideia para 2017 é que os recursos de busca por comandos de voz sejam aperfeiçoados e passem a incluir novos recursos, como geolocalizadores que permitem que os resultados variem de acordo com o lugar onde a pessoa está.

Content retrieved from: http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/5-tendencias-de-midias-sociais-que-podem-sacudir-mundo-em-2017/64415.

CCXP 2016 | Área da convenção vai crescer 80% neste ano

Ampliação do SP Expo vai garantir uma área de 100 mil metros quadrados à terceira edição

CCXP – Comic Con Experience, que neste ano acontece entre os dias 1 e 4 de dezembro, em São Paulo, terá um crescimento de 80% em relação à edição 2015. Com a finalização da reforma e da expansão do SP Expo, a convenção terá um total de 100 mil metros quadrados nesta sua terceira edição (ante 55 mil metros quadrados no ano passado).

A expectativa é que a CCXP 2016 receba 180 mil visitantes nos seus quatro dias (quase 40 mil a mais do que em 2015), o que a colocaria à frente da New York Comic-Con e da San Diego Comic-Con em termos de público. O crescimento do significará estandes e praça de alimentação maiores, corredores mais largos, mais conforto e mais atrações em toda a área útil do SP Expo.

Mateus Santolouco, Yanick Paquette, Eduardo Risso, Frank Quitely, Arthur Adams e Joyce Chin,Marcello Quintanilha, Julian Totino, Max & Sebastián Fiumara estão entre os primeiros convidados confirmados. O primeiro lote de ingressos começa a ser vendido às 12h do dia 8 de abril e vai até o dia 30 do mesmo mês, com os seguintes valores:

  • 01/12 (quinta-feira) – R$ 69,99 (meia) e R$ 139,98 (inteira)
  • 02/12 (sexta-feira) – R$ 99,99 (meia) e R$ 199,98 (inteira)
  • 03/12 (sábado) – R$ 119,99 (meia) e R$ 239,98 (inteira)
  • 04/12 (domingo) – R$ 109,99 (meia) e R$ 219,98 (inteira)
  • Pacote de 4 dias – R$ 319,99 (meia) e R$ 639,98 (inteira)
  • Business Summit – R$ 999,90 (inteira)

O 2º lote será ficará aberto entre 1 de maio e 31 de julho, e o terceiro entre 1 de agosto e 25 de novembro, com valores ajustados – confira aqui a tabela completa. O pagamento pode ser feito em até 12 vezes sem juros para compras com cartão de crédito e à vista com boleto. O primeiro convidado do evento será anunciado no próximo dia 15.

Lembrando que os assinantes do Omelete Box podem garantir seus ingressos com 24 horas de antecedência, a partir do dia 7 de abril, meio-dia (válido somente para quem assinou o Box até o dia 30 de março). Para assinar basta acessar o link omeleteclube.com.br.

Omelete.Uol